© 2019 porandubarana. Orgulhosamente criado com Wix.com

Primitivos




A bela paisagem despontava junto com os primeiros raios do sol. O dia amanheceu inundando a planície e mostrando que dessa vez nenhum membro do pequeno grupo havia sido morto durante a noite.


O pequeno grupo de criaturas levava uma vida muito difícil.Constantemente estavam com fome e passavam o dia procurando o que comer. O medo de predadores era permanente e quando a noite chegava trazia com ela perigos que faziam os membros dormirem amontoados uns aos outros.


Não era um grupo muito grande, pouco mais de quarenta machos, fêmeas e seus filhotes, alguns muito pequenos e ainda agarrados às mamas de suas mães. Eram caçadores-coletores e passavam o dia juntando coisas para comer: frutos, raízes, alguns tipos de plantas e insetos os mais variados eram o principal cardápio. Muitas vezes era difícil encontrar algo que saciasse a fome de todos. Quando isso acontecia passavam a caçar pequenos animais, mas isso sempre era uma atividade realizada com muita dificuldade pois a maioria destes eram mais rápidos que os caçadores.


Eles não eram altos, sua altura variava de 1.30 a 1.60 no máximo, apresentando uma compleição física forte e atarracada onde se destacavam os membros superiores compridos e musculosos. Não eram velozes e pouco podiam fazer para defender-se dos predadores que infestavam a planície. A única coisa, ainda que pouco explorada, que estes possuíam e que poderia ajudá-los a sobreviver em um ambiente inóspito era a sua capacidade para manipular objetos com as falanges que se projetavam da ponta de seus membros superiores.


Não havia uma liderança especifica e, eventualmente, dois machos se desentendiam acerca de quem deveria liderar o grupo. Por causa disso vários já tinham exercido a liderança. Braços Longos era quem liderava no momento. Ele havia pego para si Cintura Fina como companheira, disputou-a com Cicatriz na Cara e venceu.


******


Braços Longos, Rabiscador, Testa larga e outros três andavam pela planície tentando caçar algum pequeno mamífero. Já estavam cansados das muitas tentativas infrutíferas e a sede já se fazia presente. Os seis machos haviam aplacado a sede em um córrego e agora descansavam em um pequeno platô se preparando para novas investidas. O sol do meio-dia queimava seus corpos quando Testa Larga começou a guinchar e gesticular de maneira acintosa apontando para alguma coisa no horizonte. Todos olharam para onde seu companheiro apontava e divisaram um estranho objeto lá embaixo. Algo grande, branco e com uma forma ovalada repousava tranquilamente a algumas dezenas de metros de onde eles estavam.


Nada que já tivessem visto se comparava àquilo. Eles já haviam passado por aquele lugar muitas vezes e nunca tinham visto nada sequer parecido com o que se vislumbrava a frente deles. A presença do estranho objeto deixou-os assustados e curiosos ao mesmo tempo.


Os dias se passavam e o estranho objeto permanecia onde estava. Do alto do pequeno platô as primitivas criaturas passavam horas admirando a forma do objeto. Com o passar dos dias o medo foi sendo substituído por curiosidade.


Após vários dias de observação o grupo no platô percebeu algo diferente. Uma pequena abertura passou a existir em um dos lados do grande objeto branco. Todos ficaram em silêncio e assustados quando viram que da abertura desceram criaturas que pareciam emitir uma estranha luz. Guinchos e pequenos saltos de assombro foram silenciados por Braços Longos.


Com uma curiosidade crescente observaram as criaturas andarem pela planície. Viram com assombro que eles eram mais altos que estes e que carregavam em seus corpos coisas que não sabiam dizer o que eram. Após perambularem um bom tempo pela planície as criaturas enterraram longas hastes em várias partes do terreno.


Rabiscador estreitava os olhos ao máximo para não perder um único movimento das criaturas. Testa larga apertava com força o pequeno osso que usava como arma. Olhos Claros e Braços Longos permaneciam a maior parte do tempo em silêncio.


Todos perceberam com assombro quando um grande predador se aproximou sorrateiramente de uma das estranhas criaturas que brilhavam. Ao aproximar-se mais o grande animal foi jogado ao chão por uma luz que saiu do pequeno pedaço de pau que a criatura carregava. Com admiração viram que o predador fugia atordoado.


Durante a noite foi difícil para eles dormirem, pois não saia de seus pensamentos a imagem da criatura afugentando tranquilamente um bicho daquele tamanho. Terem visto aquele ser brilhante e estranho em ação contra um predador que já havia morto vários deles despertou uma sensação de admiração e encantamento.


No dia seguinte quando retornaram ao pequeno platô para, mais uma vez, se maravilharem com o espetáculo das criaturas brilhantes descobriram que o grande objeto já não estava mais lá.


Depois de ficar muito tempo esperando pelos seres estranhos os pequenos homens primitivos decidiram ir embora. Com certa tristeza no olhar o pequeno grupo retornou para o convívio de seus pares.


******


Os dias passaram e as primitivas criaturas voltaram ao seu cotidiano de luta pela sobrevivência. Em meio a tantas agruras o pequeno grupo descobriu uma caverna que agora servia muito bem para protegê-los dos perigos.


******


Rabiscador passou muitos dias impressionado com o que tinha visto. A imagem das criaturas brilhantes marcou tão profundamente seu ser que este decidiu pintar nas paredes da caverna tudo o que tinha visto.

37 visualizações2 comentários