Uma última vez mais





Super Trouper beams are gonna blind me As luzes do holofote irão me cegar But I won't feel blue Mas não ficarei triste Like I always do Como sempre fico Cause somewhere in the crowd there's you Porque em algum lugar na multidão está você Super Trouper - ABAA

O homem penetra o átrio sem cerimônia. Dentro da alcova a fêmea o espera na meia-luz . Ela lhe arranca a roupa e o cobre com um sorriso malicioso. Uma última vez mais. Ele deita, ela o beija. Ambos gemem. As peles se chocam, se encontram e se roçam. Sons líquidos perfumam o ar com sexo. De novo, nenhum romance. O amor da puta é destilado mais uma vez. Ele a fode como um cão, mas lhe chama de loba. Puxa o cabelo e lhe invade o íntimo com pressa. O copo do êxtase transborda por um micro segundo. Ele goza exausto, ela sorri seu sorriso duplo. O homem tomba de cansaço e dorme como um porco. Ela queima um último cigarro e olha através da janela. Lá fora o mundo dorme bêbado no vômito de seu próprios pecados. Barulhos do choro e chuva sobre o velho prédio. Gritos de surpresa abafados por panos sujos. A Lâmina afiada corre cortante sobre a pele nua e crua. Sangue quente espirra como gozo no colchão. A mão calma e fria da ceifadora lhe acalenta o rosto assustado. Um corpo treme engasgado na triste calmaria dos suspiros finais. Outro corpo sai pelo corredor sem ser notado. O ultimo som é o grito de pavor da camareira de frente a porta. Junto da garganta cortada do homem está um bilhete escrito de batom:




- Obrigado pela ultima vez amor, até nunca mais..

Ass: Fernanda.

PS:Esse conto foi escrito ao som de "Aconteceu" da banda Ludov



0 visualização

© 2019 porandubarana. Orgulhosamente criado com Wix.com